MENSAGEIRAS DA LUZ

"Mensageiras da Luz" é um documentário sobre as parteiras tradicionais do Estado do Amapá. O filme tem três versões:

• uma longa, com 72 minutos,

• outra curta, com 15,

• e uma de 52 minutos para televisão.

O Amapá tem cerca de 600 mil habitantes, um território de 144 mil quilômetros quadrados e uma das mais baixas densidades demográficas do País: 2 habitantes por quilômetro quadrado. O Estado tem apenas 16 municípios e não dispõe de hospitais suficientes para atender a população. Utilizando técnicas muito antigas, as parteiras ajudam no nascimento de bebês por todo o Estado, atravessando as grandes distâncias que dificultam o acesso entre as comunidades espalhadas pela selva amazônica, alagados e cerrados. E depois cumprem outra importante função social: são elas que fazem o cadastro de nascimentos nos povoados. Pesquisa recente revelou que 918 parteiras atuam na região, que tem a maior ocorrência de partos normais do Brasil (88%). O índice médio de cesarianas é 12%, abaixo da marca de 15% apontada como aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

"Parteiras da Amazônia" focaliza a vida dessas mulheres que são donas de casa, pescadoras, agricultoras e extrativistas de castanha, e deixam seus lares para auxiliar as parturientes a dar à luz, sempre permanecendo com elas mais sete dias depois do nascimento. Recebem como pagamento um pouco de milho ou outro cereal, uma galinha caipira ou até mesmo uma pequena quantia que pode variar de R$ 10 a R$ 40. Mas muitas se recusam a receber qualquer tipo de pagamento, pois acreditam terem sido escolhidas por Deus para a arte de "puxar barriga" e "pegar menino".

O projeto focaliza temas como miscigenação, religiosidade, ecologia, técnicas de parto e, principalmente, a sabedoria dessas mulheres, em sua maioria analfabetas, que adquiriram um conhecimento muito especial da vida e da morte, depois de participar do nascimento de centenas de crianças, entre elas, os próprios netos e netas.